Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

iTUGGA

Blog de um português...

iTUGGA

Blog de um português...

Buscas em Pedrógrão Grande - Curiosidades

A Polícia Judiciária está a fazer buscas nas instalações da Câmara Municipal de Pedrógão e na Casa da Cultura à procura de provas para o processo em que se investigam alegadas irregularidades na atribuição de fundos para a reconstrução das casas destruídas pelos fogos de 2017. Acerca destas buscas, há "curiosidades" que me deixam perpelexo. Senão vejamos:

 

- Os orgãos de comunicação social, nomeadamente a TVI, noticiou as buscas na Câmara Municipal de Pedrógrão Grande antes dos agentes da PJ chegarem ao local - no mínimo curioso. O segredo de justiça/investigação onde está?? Ainda falam do Paulo Gonçalves e do Benfica. Estes telefonemas "mágicos" de orgãos judiciais aos orgãos de comunicação social não são de agora.

 

 - A investigação já estava em curso desde junho e não foi despoltada pela reportagem "Compadrio" - como a TVI noticia a miúde. O Ministério Público abriu, nessa altura, um inquérito para investigar alegadas irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios de Pedrógão Grande. Não esquecer que os “inquéritos judiciais” em curso são da iniciativa da autarquia.

 

- A investigação foi despoltada a pedido da Câmara de Pedrógrão Grande  - ainda antes da famosa reportagem -  tendo  sido feito de novo um pedido de investigação (esta semana)  à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), o envio, com o pedido de averiguação, ao Ministério Público. 

 

- O Presidente do Município Pedroguense, é um ex-inspector da Polícia Judiciária de nível reconhecido entre pares. O que torna a investigação no mínimo estranha, pois com facilidade Valdemar Alves saberia quando e onde a Judiciária iria investigar. Quero acreditar na boa fé do Presidente.

 

 - As reportagens em loop um pouco por todos os canais, baseadas no diz que disse e sem documentação que o prove é o jornalismo que temos. Notícias como: "Segundo o jornal X...", é sempre um terceiro que afirma, no fim ninguém sabe a fonte da notícia.

 

PS - devo mencionar que sou pedroguense e que estive no edifício da Câmara Municipal entre as 9h e as 11h 30m a tratar de assuntos particulares. Quando eu e os presentes virmos a notícia da TVI fartamos-nos de rir, pois ninguém da polícia lá estava na altura. Os agentes chegaram 40 minutos depois.

 

Desejo acima de tudo que a verdade chegue à justiça, o que nem sempre acontece.

Eucaliptos - o mal maior

O eucalipto, árvore originária da Austrália, é a campeã da floresta portuguesa. À semelhança dos anos anteriores, foi a espécie mais usada em arborizações e rearborizações em Portugal no ano de 2017. De acordo com o último relatório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas foram plantados 18 mil hectares de eucalipto. Pode-se concluir que pouco se aprendeu com os incêndios de 2017.

 

Recordo que o Parlamento aprovou uma lei, depois dos fogos de Pedrógão Grande, que proibe novas plantações de eucaliptos em áreas onde estes não existiam, a partir de janeiro de 2018. Na maior parte dos casos foi feita tábua rasa da lei e plantaram-se eucaliptos em todo o lado. As atitudes são as mesmas apesar da obrigação de limpeza das matas. Compreendo que o eucalipto dê emprego a muita gente em zonas onde o desemprego é um flagelo e que dê dinheiro a alguns, mas não podemos continuar a usar a floresta desta maneira com esta árvore. Temos de encontar soluções.

 

Um dos maiores empresários de madeira de Pedrógrão Grande - Vitor Managil - afirma em público: "jamais deixarei de plantar eucaliptos, pois é dessa madeira que tiro o sustento e crio emprego numa zona em que os empregos são poucos." A luta é inglória. Quantas pessoas precisam de morrer? Quantos hectares têm de arder? Quantas casas têm de ficar reduzidas a cinzas para o governo tomar atitudes sérias e fortes em relação à "praga dos eucaliptos"? Entretanto Portugal continua a arder.... 

 

Portugal a arder

Os incêndios mais trágicos que Portugal viveu fazem agora cerca de um ano. E o que mudou entretanto? No combate, ainda faltam meios. Na prevenção, avançou-se aos poucos. A floresta demora tempo e recursos. A rede de comunicações SIRESP ganhou novas antenas e donos.

 

Como no ano passado, a Protecção Civil continua mais preocupada em ocultar a sua incapacidade do que em informar a população do que se está a passar, o que torna a incerteza o sentimento dominante da população.

 

Entretanto, Portugal continua a arder...

Pedrógrão e as moradas fiscais falsas

O Ministério Público irá investigar, e bem, a veracidade das moradas fiscais das pessoas cujas casas arderam em Pedrógão Grande. Mas, se fossem deputados, a palavra de honra seria suficiente...

 

Ou seja, existe um denominador comum entre os indivíduos que alteraram a morada fiscal para que lhes reconstruam as casas em Pedrógão e aqueles que fizeram o mesmo para receberem mais subsídios em São Bento: são portugueses... a diferença é que uns são deputados e a palavra deles basta, os outros têm de provar por A+B que o que herdaram do pai é mesmo deles.