Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

iTUGGA

Blog de um português...

iTUGGA

Blog de um português...

Quadratura do círculo.

PCP vai faltar amanhã na sessão com Zelensky no Parlamento português. Dizem que não apoiam os neo-nazis ucranianos, chefiados por um judeu que viu 3 familiares morrerem às mãos do Exército nazi durante a 2a Guerra. Chama-se a quadratura do círculo. Quadrados. Mesmo...

PCP e a guerra

A conferência de líderes parlamentares aprovou, por maioria, uma sessão solene no Parlamento português com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, por videoconferência. O PCP votou contra.

Andamos preocupados com aprendizes de feiticeiro, como o Ventura e esquecemos uma das maiores vergonhas de Portugal: haver comunistas no parlamento em 2022.

O PCP e a guerra

O melhor exemplo foi dado por João Ferreira na SICN onde não considera democráticas as eleições na Ucrânia. Questionado se também condena a falta de democracia na Rússia, João Ferreira compara a censura na Rússia à censura na União Europeia. Falsa equivalência desta resposta esmagam o argumento do PCP.

O jornalista pergunta-lhe várias vezes se condena as perseguições aos manifestantes antiguerra pelo Kremlin e o fecho de jornais e televisões independentes. Ele não diz que condena: diz que "é condenável". Habilidoso...

Vindo de alguém que aponta o dedo a outros chamando-os de fachos, dá que pensar.... a cegueira ideológica mata gente.

O Governo vai cair!!?

O Orçamento de Estado não foi aprovado, porque a esquerda não quer.... porque?

1 - O PCP e o BE mesmo tendo consciência que vão perder deputados não hesitaram em ser fiéis aos seus princípios?

2 - O PC e o BE estão fartos de promessas não cumpridas nos OE anteriores?

3 - O PCP e o BE querem deixar de ter representação na AR?

Nem um politólogo percebe a lógica.... porque quem vai sair vencedor desta Geringonça será O tio André.

 

Por falar na festa do Avante, assim a vi....

(texto escrito neste blog em 2018)

"Sou dos que não sendo comunista, foi à Festa do Avante ainda no Alto da Ajuda, depois em Loures - onde hoje é o LouresShopping - e já perdi a conta das vezes que fui a Atalaia. Este ano foi mais uma, mas foi diferente. Que diferenças notei? A primeira, é que para além da festa em si e da sua vertente cultural, há coisas que nunca mudam, uma delas é o autismo doutrinário e mental dos comunistas em geral. Senão vejamos:

 

A festa do Avante é um evento de angariação de fundos, mas dá prejuízo desde 2014 - isto dos comunas serem contra o capital, só podia dar nisto.

O partido recusa-se a dar esclarecimentos sobre as falhas contabilísticas entregues à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos - andam eles a apontar o dedo aos outros por financiamentos pouco claros.

- Olham de lado os visitantes da Festa com cabelo à beto da Lapa - a que chamam cabelo à Playmobil - mas falar das "rastas" dos rapazes da juventude Comunista e consequente falta de higiene, está quieto.

- Fazem queixinhas aos seguranças dos que vendem haxixe no recinto - acho muito bem - mas pelo que traz a brisa, os consumidores do aroma marroquino, com o cartão da organização, são mais do que muitos.

- Falam tanto da liberdade de expressão e de escrita, mas proíbem a venda de determinados livros na Festa.

- Um partido que se diz do mundo, tem uma doutrina anti-europeísta e mostra-o na Festa.

 

A Festa do Avante é o reflexo da mentalidade de um partido fechado em si próprio, que julga e aponta todos os que são diferentes, enquanto grita pela torelância e igualdade... ainda bem que vou apenas pela festa." 

 

Se bem que este ano, quero que a festa se lixe. Ainda não perceberam o que motivou o cancelamento de dezenas de festivais e festas neste ano do senhor de 2020???

Partidos com um deputado remetidos ao silêncio

Comemorou-se por estes dias 30 anos do derrube do muro de Berlim - sim, o muro foi derrubado, não caiu sozinho. Festejámos a democracia, a liberdade para falar, discordar e votar, sem constrangimentos além da Lei. Entretanto em Portugal andámos para trás 40 anos. Pretendem silênciar os partidos com apenas um deputado, como o Livre, Iniciativa Liberal e Chega que ficaram esta sexta-feira sem tempo de intervenção no próximo debate quinzenal com o primeiro-ministro.

Tudo porque o medo da antiga geringonça se tornou numa espécie de despotismo e não pretendem atribuir às novas forças políticas a mesma excepção que foi aberta para o PAN, na anterior legislatura. Pois é, o PAN é de esquerda e uma muleta de Costa. Agora há duas vozes grossas dissonantes que ecoam bem alto porque sabem passar a mensagem e isso assusta a esquerda que tudo fará para os calar. Os partidos não gostam de concorrência. Mas se, em 2015, votaram a favor para o PAN poder intervir, como é que agora vão votar contra? Sei que a incoerência não lhes tira o sono, mas há limites. Ferro Rodrigues vai permitir?

As regras da AR, algumas escritas outras de tradição, devem servir para assegurar a representatividade, impedindo que uma maioria possa calar uma ou várias minorias. A posição do PS, BE, PCP e PEV está a amordaçar a democracia.

O Governo faz três anos

geringonça1.jpg

Origem da imagem: aqui

 

No dia 4 de outubro de 2015 o PS perdia as eleições legislativas, mas com "papas e bolos" arranjou uma geringonça que elevou António Costa a Primeiro Ministro apesar de derrotado. Nesta gerinçonça a três vozes, onde o PS manda às vezes, o PCP governa-se mal e o BE polícia com a sua moral hipócrita, os contribuintes são enganados, para daqui a um tempo lhes ser pedido que façam mais um esforço. Tudo enquanto o PR tira selfies com metado do país.

 

A pseudo folga orçamental que vive à custa de uma conjuntura externa favorável deu origem a um sistema de socialismo-estatismo  que é apresentado como modelo ideal, moralmente superior e constitucionalmente correcto, mas que vai esmorecer logo que a realidade bata à porta e mais uma vez nos leve à austeridade.

 

Os políticos que estão agora no poder foram contra a austeridade durante o tempo em que estavam na oposição. Aproveitando a oportunidade - a austeridade -  facilmente apontavam o dedo. Agora, que estão no poder, não podem dizer que aquilo que andaram a fazer na altura foi oportunismo político. Logo, não podem levantar a questão da austeridade para não realizar o que prometeram. Continuam com a asneirada política enquanto deviam aproveitar o momento para fazer reformas estruturais.

 

Como se sai disto? Com outras políticas. Com 250 mil milhões de dívida pública, esperamos que um novo pedido de resgate resolva o assunto...