Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

iTUGGA

Blog de um português...

iTUGGA

Blog de um português...

Bruno de Carvalho desaparece da acusação de Alcochete

Despacho da juíza indicia que vão ser estes os factos dados como provados no acórdão:  há 37 arguidos que vão ser condenados por planearem e executarem a invasão e agressão aos jogadores e técnicos do Sporting. E tanto Bruno de Carvalho, assim como Nuno 'Mustafá' Mendes foram retirados da equação pela juíza. MP já tinha pedido a absolvição de Bruno de Carvalho no tribunal de Monsanto.

 

Mas vocês querem acreditar que a comunicação social é para levar a sério, quando foram meses de aberturas de telejornais, capas de jornais, debates e mais debates. O Presidente da AR indignado, etc etc. Hoje que se sabe isto, é o que se vê. A comunicação social, finge que está morta ou assobia para o lado... acho que devem no mínimo um pedido de desculpas ao homem. E mais não digo.

 

 

O coronavírus vai matar o 25 de Abril?

EWUtZObWoAAGv_0.jpg

 

Em Portugal há, neste momento, cerca de 4 milhões e meio de pessoas que terão hipótese de ainda se lembrarem do 25 de Abril, mesmo vagamente, porque em 1974, terem mais de seis anos de idade. Qualquer pessoa que atravessou essa fronteira de entrada na liberdade não consegue deixar de pensar que o 25 de Abril foi a data mais importante da vida política do Portugal contemporâneo.

 

Para outros que não viveram o 25 de Abril, o Golpe de Estado é apenas uma perceção dada pela experiência dos mais velhos da família ou pela cultura adquirida nos professores, nos livros, nos filmes e nas músicas. Mas mesmo estes gostam de celebrar o 25 de Abril. O que levanta a questão: deve-se celebrar Abril com um ajuntamento??? Não, não deve. Pois neste momento não está criado um modelo sanitariamente aceitável para qualquer  celebração, concerto ou ajuntamento. Logo, porque motivo será celebrado o 25 de Abril na Assembleia da República? A discussão sobre se deve ou não haver tal cerimónia é estupida, pois a resposta deve ser igual a todas as outras onde se juntam pessoas. Não sendo por isso motivo para o 25 de Abril perder qualquer significado para a liberdade dos portuguses.

 

Fiquem em Casa, dizem eles....

 

Coronavírus - Porque "há duas coisas que são infinitas: o universo e a estupidez humana.

racist.0.jpg

 

Até há umas semanas atrás, muitos pensavam que o COVID-19 era coisa de chineses e que não nos tocava. Até há uns dias atrás, alguns ainda pensavam que o COVID-19 era um circo montado e exagerado pelos meios de comunicação social para amedrontar as pessoas. Espero que apartir de hoje, com o encerramento das escolas e discotecas e a redução da lotação dos restaurantes e dos centros comerciais percebam que a coisa é séria. Tão séria que há "gente curta de vista" que foi a correr aos supermercados com medo de ficarem sem papel higiénico (nunca ouviram falar de bidé - são norte-americanos?), outros ficaram com medo de não terem atum ou uma lata de sardinhas em casa e compraram centenas de unidades. 

Porque "há duas coisas que são infinitas: o universo e a estupidez humana." - já dizia Albert Einstein - espero que as quarentenas, que por arrasto, dará a todos mais tempo para andar nas redes sociais não sirva para aumentar a estupidez em relação a um caso tão sério de saúde pública... 

Mãe recebe carta de hospital a lamentar a morte do filho por engano!!!

84488539_3470662503006505_3017982594441543680_o.jp

 

Sandra Portela recebeu a notícia que nenhuma mãe quer receber: a morte do filho na ala de pediatria do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA). O hospital enviou a carta a Sandra a lamentar a situação e a enviar os seus "pêsames". "Porque foi nesta instituição hospitalar que o vosso ente querido passou os últimos momento da sua existência, vimos convidar-vos a rezar connosco por ele", pode ler-se na carta dos Serviços de Assistência Espiritual e Religiosa do CHUA, publicada nas redes sociais pela própria mãe. No entanto, tudo não passava de um erro. O menino está vivo e em casa com a mãe. Como deve ter ficado aquela mãe quando leu a carte!!?

Como é que é possível em pleno século XXI, num país supostamente do primeiro mundo, que pertence à UE e onde o SNS é informatizado, acontecer tal coisa??? Incompetência? Desleixo? Um simples pedido de desculpa, não chega. Espero que a culpa, como tantas vezes acontece, não "morra solteira", já que felizmente a criança não morreu...

Rainha Santa Isabel dos Santos

luandaleaks_160120_interna.jpg(imagem: retirada da net)

 

Até há uns tempos atrás Isabel dos Santos era uma espécie de santa e fazia milagres. Não transformava o pão em rosas, não deu dinheiro aos pobres, mas fazia o dinheiro aparecer nas suas contas bancárias espalhadas pelo mundo, por milagre. As suspeitas só foram conhecidas porque alguém, sem autorização, vazou mais de 700 mil documentos aos meios de comunicação britânicos. O que levanta outra questão: a discussão é o crime e não deve ser como ele foi revelado. Por estes dias já se pressegue-se a pessoa que expôs a informação e não a Santa Isabel dos Santos. Ambos estão mal, mas uma coisa não anula a outra.

 

O que Luanda Leaks mostra é aquilo que todos pensavam, mas não diziam: Isabel dos Santos não é santa e não faz milagres. “É bonita, esperta, bem educada. Mas também é uma tremenda ladra do seu povo”, parafraseando Ana Gomes. Este caso vem pôr a nu, como se fosse preciso, o estado do país e das elites, quer em Angola, quer em Portugal. Lembro-me do Berardo e do Ricardo Salgado. Em Angola há a acusação de corrupção. Por cá, não existe. No fundo a diferença entre Portugal e Angola é que comemos mais bacalhau. E a nossa Santa Isabel é mais fraquinha a fazer o milagre da multiplicação...

A opinião pública e/ou mainstream opinativo

f696d-5.jpg

imagem: Garcon Comics

 

Segundo a opinião pública portuguesa - será que posso dizer mainstream opinativo? Não sei - Passos Coelho é um aldrabão, Sócrates um ladrão, Tancos é um caso de Mafia, Ronaldo está inocente, os chineses é que mandam nisto tudo, os bancos americanos são os donos da nossa banca e Maria Leal é uma "chula". Conclusões tiradas "a la palisse", muito por causa das crenças de cada um, e sempre baseadas na óptica dos meios de comunicação que melhor se enquadra na forma como nos apresentam o assunto. Este é o panorama geral da opinião pública do momento. No fundo são tudo suposições, que têm de ser provadas em local adquado, mas que o povo já julgou na sua "sabedoria onipotente e certeira". Basicamente são teorias da conspiração ou de defesa em formato popular. Se os resultados não são os que a opinião pública deseja, é porque o juíz é corrupto, a justiça está comprada ou a mais popular, os ricos safam-se sempre.Tudo isto independente da verdade apurada. O uso da opinião pública é assim a melhor forma de ganhar ou perder uma batalha, seja em que campo for... espero que no campo da justiça a opinião pública não seja tida em conta.

 

O pior para a verdade na opinião pública, não são as mentiras, são as convicções. Principalmente as convicções que formam a opinião pública e moldam a verdade conforme a óptica que se deseja. Esta opinião pública convicta não quer saber a verdade, quer apenas marcar posição. Resultado: a verdade não importa, o que importa é a opinião e a condenação. É aqui que a opinião pública se transforma em meio de manipulação, o mais importante, pois é ela que dá votos em dia de eleições, que dá a fama ou a tira. Por isso, surgue o lado mais negro das "alcoviteiras encartadas" e disseminadoras de factos - a manipulação da opinião pública pelos mídia e redes sociais (onde as fake news ganham cada vez mais ímpeto). Aqui, o problema não é tanto as pessoas acreditarem nas fake news, mas sim, não quererem acreditarem nas real news porque não se encaixa na convicção que apregoam. Ou seja, seguem o caminho que indicaram à manada e que está de acordo com as suas convicções.

 

Há quem julgue que pensa por si, imune aos meios de comunicação que moldam a opinião pública - alguns conseguem, mas a maioria segue o mainstream opinativo. A opinião pública é muito mais do que um conjunto de opiniões que o indivíduo pode expressar sem correr o risco de ser isolado dos restante, com o mesmo sentido e intensidade dentro da sociedade. A opinião pública é uma manada dirigida por "pastores" que sabem o caminho que o "gado" deve seguir...