Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

iTUGGA

Blog de um português...

iTUGGA

Blog de um português...

Os Maias deixam de ser de leitura obrigatória no secundário!!

Na aprendizagem essencial para Português no secundário, os alunos devem ler um romance de Eça de Queirós, à escolha do professor. Provavelmente "Os Maias" serão os primeiros a saltar.

 

É bom que não leiam os Maias; ainda corremos o risco de perceberem que estamos basicamente iguais aos gajos do século XIX. Mas, para quem quer conhecer a história da família Maia, aqui fica um resumo escrito pelo RAP:

 

"Era uma vez um gajo chamado Carlos, que vivia numa casa tão grande que levava p’raí umas vinte páginas a dizer como é que era. Quem gosta de imobiliário, tem aqui um petisco, porque aquilo tem assoalhadas grandes e boas e, pronto, mas p’ra mim não serve, que eu imóveis só com a fotografia, que às vezes um gajo é artista a escrever e depois uma pessoa vai a ver a casa e não tem nada a ver com o que imaginou.

 

Portanto, o gajo chama-se Carlos e o pai matou-se quando ele era pequeno, porque a mulher fugiu com um italiano e levou a filha que eles também tinham e… e ele matou-se, não faz sentido, porque o que não falta p’raí são gajas. Ora o puto fica com o avô e tal, vai crescendo e torna-se um gajo fino, bem vestido e que vai a boas festas.

 

Às tantas vê uma gaja e pensa: “Ui, que gaja tão boa!” e p’raí na página 400 começam a ir para a cama os dois e andam aí umas boas 200 páginas, pim, pim, troca e vira e agora nesta casa e agora naquela e pumba e… só que às tantas vem um gajo e diz: “-Eh pá, olha que a moça é tua irmã!” e o Carlos fica “eh pá, isso não pode ser, que nojo!” de maneiras que dá-lhe só mais duas ou três trolitadas e vai dar uma volta ao mundo, para espairecer, e acaba tudo em bem porque, ao menos, não tiveram filhos.

 

Porque se tivessem eram, de certeza, meio tantans, babavam-se, como o meu primo Zé Luís, que os pais também eram parentes."

  • 5 comentários

    Comentar post