Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

iTUGGA

Blog de um português...

iTUGGA

Blog de um português...

Mais touradas na RTP1

O canal público RTP1 - aquele que é pago com os nossos impostos - está mais uma vez a transmitir tourada que é organizada pelo próprio canal. O touro já tem 6 ferros espetados no lombo, que entram 15 a 20 cm entranhados na carne, está a sangrar, exausto e a morrer de dor. Em cima do cavalo está alguém que acha que é um herói...

 

Estou farto de ver sempre as mesmas caras nas praças da tortura. Estou farto de ver agrobetos de camisa branca Ralph Lauren a aplaudir as estocadas no touro.  Estou farto de ver cavaleiros com trajes fidalgos do século XVIII que espetam um touro indefeso. "Vingo-me" nos forcados sempre que levam uma cornada que os derrube. Já estou como o Vitor Espadinha: "que se f0$@" as touradas. A tradição não deve ser o que era...

 

Estou à espera que a RTP1 a seguir transmita coisas consensuais tipo autos-de-fé, decapitações, apedrejamentos suscitados por ódios étnicos ou procissões em Fátima neste nosso Estado laico... já que transmitem tortura.

 

 

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Zé Gato 18.08.2018 20:01

    Quem defende a abolição da tourada defende a abolição de qualquer prática que implique sofrimento para o animal, está implícito. Também não me lembro de qualquer outra prática cultural em portugal que seja tão violênta para os animais.

    Apesar de não estar directamente ligado as touradas - pelo facto de não concordar com elas - sei que já foram realizados plano de abandono das touradas e entregues a quem de direito - Ministério da Cultura. Não houve qualquer resposta.

    Quem luta contra as touradas , luta contra todas, não apenas a uma especifica. Como o meu amigo escreveu (Zé não te perdoo seres um bufo) as touradas são negócio de poucos, pois com a excepção dos cavaleiros e criadores (que são todos família - os que participam nas lides) todos os outros intervenientes apenas o fazem por prazer ou como voluntários (quando há cavaleiros que levam 15 mil euros por particação). Os empregos gerados pela actividade são "poucos", a nível nacional deve rondar os 800 empregados e já a contar com a companhia das Lezírias. E são todos família, porque é tradição da família e assim seguem o elitismo. Todo o circuito da touradas e afins são dos mesmos, com pontuais excepções: ganadarias, transporte, os eventos, a venda de sémen e na maior parte das vezes até as manadas de chocas o são - um abraço para o Mestre João que está neste momento a gravar cenas para um série francesa em Almeirim - por isso o verdadeiro negócio das lides pertence a poucos que ganham muito, mas poucos de lá tiram sustento: não é a pagar 650 euros a recibos verde que se governa uma casa condignamente e muitas vezes trabalham ao fim de semana e não ganham mais por isso. Os poucos têm contrato e ganham o ordenado mínimo. Muitas vezes para ganhar o sustento têm que trabalhar para outro patrão. Esta é a realidade laboral das touradas.

    O trocadilho das camisas RL tem haver com o simbolismo que elas têm, assim como os sapatos vela (que também uso) - as touradas são realizadas por uma suposta "elite" reduzida a meia dúzia de famílias para o povo ver e pagar. Se as pessoas sonhassem o que se passa dentro do curro a maior parte não queria nada com touradas.

    Alguns argumentam que se não fossem as touradas os touros bravos estavam extintos. Não concordo, mas por outro lado noventa por cento das espécies que já existiram estão extintas. Não fomos nós que as matámos todas, é o curso da natureza. Se for de forma natural, é deixá-las ir - o problema é somos quase sempre nós que estragamos a natureza. Se temos que os "sustentar" para depois mata-los, não é preserva-los.

    Os touros não nasceram para a lide, os touros são animais territoriais e bravos, e, como tal, quem lhes invade o território sujeita-se a levar uma cornada. Fora isso, são animais normais que são colocados entre a bandarilha e as tábuas e que se vêem forçados a investir nos forcados.

    Sim, gosto de animais, mas não gosto de touradas porque é um contra senso. Não vou a um evento apenas porque parece bem aos amigos e as tias e tios e sempre podemos aparecer na Caras ou na VIP. Conheço relativamente o ofício, por isso, como disse o Espadinha: F.... para as touradas.

    Comparar as touradas ao Dressage ou é de quem não percebe da poda. Desbastar (treinar) um cavalo não implica violência ou as provas em si. Devo dizer que as esporas são redondas e se um cavalo se sentir agredido faz o contrário do que o cavaleiro quer.

    PS - Já que o ZÉ deu com os dentes: Herdade da Estrela em Torres Vedras
  • Imagem de perfil

    Sarin 18.08.2018 20:26

    Não está implícito, Pedro, e posso dizer-lhe mais: conheço activistas que são contra as touradas mas não se preocupam com o abandono dos animais de estimação nem percebem qual o problema com os animais do circo ou do zoo.

    Raramente percebem a alusão ao Dressage... diga-me, Pedro, obrigar o animal a movimentos que lhe não são naturais por uma questão exibicionista e competitiva justifica-se porque...?
    Sem falar dos problemas de saúde recorrentes associados a determinados movimentos.
    Não se trata da poda - trata-se do Princípio. É contra-natura e é executado por mero gáudio. As consequências são distintas, mas o Princípio é o mesmo. Mas como não mete sangue, não choca.

    Por falar em chocas, sabe certamente que há vários produtores marginais que abastecem os circuitos menores. E que dependem de tal actividade.

    Contra a qual sou. Apenas não peço o fim das touradas: peço o fim dos abusos sobre os animais. Por Princípio.


    Concordo, afirmar que a tourada garante a sbrevivência da espécie taurina é falacioso.
    Tal como justificar os jardins zoológicos pela necessidade de preservar espécies em extinção: se querem preservar, façam reservas com hospitais nos seus habitats; os custos ambientais de recriar habitats, especialmente a climatização, não são despiciendos, e o animal está sempre sujeito a condições stressantes. Mas como já não estão em jaulas, está tudo bem, dizem muitos activistas contra as touradas.

    Não sou activista contra as touradas. Sou defensora dos direitos transversais dos animais.

    Não conheço a Herdade. Mas as que conheço são Ribatejanas e, principalmente, Alentejanas :)
  • Imagem de perfil

    Zé Gato 18.08.2018 21:32

    Como escrevi em outro comentário, os maus tratos a todos os animais está implícito. Cada um fala por si, na minha opinião se têm esse procedimento não podem ser considerados activistas, serão no máximo seguidores de alguma tendência. Está na moda defender em público os animais mas depois esquecem-se dos resto.

    Percebi a alusão ao Dressage e onde queria chegar. "(...) obrigar o animal a movimentos que lhe não são naturais (...)"!!? Dressage significa "treinar" com o objectivo de auxiliar o cavalo a desenvolver, através de diversos exercícios, a capacidade de executar todos os seus movimentos naturais. Sim aqueles movimentos são naturais em algumas raças. Por isso nem todas as raças servem para fazer Dressage porque a sua estrutura genética e óssea não lhes permite fazer os exercícios naturalmente (o Lusitano é uma raça que faz Dressage naturalmente, treina é a coordenação de tais movimentos. Um movimento que choca os leigos na matéria é a "cabriola" - também existe o termo na dança - os cavalos Lusitanos executam-na mesmo sem treino, é como se tivessem a espreguiçar).

    Claro que há sempre imbecis que tentam forçar as bestas - é assim que lhes chamamos - a treinar exercícios que não são adequados para a raça, mas esses animais nunca irão fazer Dressage, porque naturalmente não nasceram para o fazer.

    O que os cavalos não nasceram para fazer naturalmente é puxar carroças e cargas pesadas, mas é isso que fazem há séculos....

    A relação entre o cavaleiro tem sempre de ser baseada em amizade, confiança e respeito mútuo. Um cavalo obrigado, ou picado, não faz o que lhe pedem, muito pelo contrário. Nós nunca mandaremos num cavalo.. podemos apenas domestica-lo.

    Ficaria admirado se conhece-se a herdade. Temos uma mais pequena no Ribatejo onde vivo, sem cavalos.

  • Imagem de perfil

    Sarin 18.08.2018 22:17

    Pedro, certamente sabe que Dressage é uma modalidade, portanto a explicação sobre o que significa o termo e o que fazem ou não fazem cavaleiro e cavalo e o que pensa sobre os que forçam os cavalos é muito interessante e eloquente mas foge ao contexto: os animais magoados dopados para competir, os movimentos contra-natura (falo dos movimentos laterais, falo do caminhar em duas patas), o stress das deslocações... para competir para gáudio da vaidade humana.

    Nenhum animal nasceu para servir outro animal - mas já que os homens domesticaram animais então que se estabeleçam relações de mutualismo.
    Já agora, Sabe que os ganadeiros e os cavaleiros tauromáquicos e os forcados também falam em respeito pelo animal, certo? :)
    São níveis distintos de sofrimento, mas ele existe. Gratuitamente; mas faz parte do negócio...


    Exerci actividade, nos primeiros anos, entre Ribatejo e Alentejo, com especial incidência neste. Na Estremadura e Beira Litoral só conheço floresta e horto-frutícolas.
  • Mande vir aqui:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.